A ALEGRIA DO RETORNO À CASA PATERNA


"Mas era justo alegrarmo-nos e regozijarmo-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu; tinha-se perdido e foi achado." (Lucas 15:32)

A parábola do filho pródigo nos traz várias lições espirituais para o nosso crescimento. O evangelista Lucas relata no versículo 23 do capítulo 15 que o pai toma a iniciativa de realizar uma grande festa para o filho que retornou à sua casa. Aliás, o capítulo 15 de Lucas é marcado pela alegria daqueles que encontram algo que haviam perdido.
A ALEGRIA DO PASTOR: O pastor alegrou-se por haver reencontrado a ovelha perdida e ainda faz um convite: “Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida” (Lc 15.6). O pastor se alegrou porque aquela ovelha não foi devorada pelos lobos e mesmo ferida e machucada, agora estava sob os seus cuidados. Jesus, o bom pastor se alegra quando encontra uma ovelha perdida e o pastor da igreja, comissionado pelo Sumo Pastor, alegra-se em poder cuidar daqueles que retornam.
A ALEGRIA DA IGREJA: A mulher alegrou-se ao reencontrar a dracma perdida e faz um convite: “Alegrai-vos comigo, porque já achei a dracma perdida.” (Lc 15.9). A mulher da parábola representa a igreja do Senhor que se alegra ao reencontrar “dracmas perdidas”, ou seja, pessoas de grande valor na obra de Deus, mas que se afastaram da comunhão dos santos. A verdadeira igreja do Senhor se alegra ao reencontrar as suas “dracmas perdidas”.
A ALEGRIA DO PAI: O pai alegrou-se ao reencontrar o filho que se havia perdido e fez um convite: “alegremo-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu; tinha-se perdido e foi achado” (Lc 15.23-24). Quando o filho ainda estava longe, seu pai o avistou (v-20) o que sugere que o pai estava sempre aguardando o dia do retorno, o dia do reencontro. Da mesma maneira, o Pai celestial avista de longe aqueles que estão retornando à sua casa, abraça e beija e lhe prepara a melhor festa.
A ALEGRIA DOS CONVIDADOS: Havia naquela casa muitos empregados. Certamente os amigos do pai foram convidados para a festa. Os vizinhos foram avisados, de maneira que havia música e danças. (V-25) A Alegria do Pai contagiou todos que estavam em volta. Que a alegria do Senhor possa inundar todos que estão em nosso redor e que todos possam se alegrar na festa do pai.
A ALEGRIA DO FILHO PRÓDIGO: O filho se alegrou ao ser recebido pelo seu pai. Ele (o pródigo) havia ensaiado um discurso para que o seu pai o recebesse pelo menos como um empregado, pois não se julgava digno de ser chamado de filho, no entanto, além de chamar de filho: “Este MEU FILHO...estava morto, tinha se perdido...” (V-24), o pai lhe deu um anel, roupas novas e sandálias. Que alegria. Mas, infelizmente teve alguém que ficou triste...O irmão mais velho.
A TRISTEZA DO IRMÃO MAIS VELHO: O filho mais velho ficou aborrecido do lado de fora (V-28) por não compreender a amplitude do amor do pai. O pai precisou lhe explicar que tudo estava ao seu dispor e, no entanto, ele não havia desfrutado. O irmão mais velho representa o crente legalista, o crente religioso, o crente antigo que não se renova como a águia. Este é o único que se entristece ao ver os filhos pródigos sendo lembrados, honrados e recebidos com alegria e festa na casa do Pai celestial.
Meus amados, nós os convidamos a alegrarem-se com o Pai pelo retorno de seus filhos. E se você encontra-se distante da casa do Pai e pensa que Ele não vai te receber como antes. Está envergonhado pelo afastamento e não se acha digno de ser chamado de filho... o Pai te ama e deseja te receber de braços abertos. Uma observação: o pastor perdeu a ovelha, a mulher perdeu a dracma, mas o filho SE PERDEU, portanto a decisão de voltar também é exclusivamente SUA. Volte correndo para os braços do PAI.
Desejo com esta palavra lembrar a todos os irmãos do campo de Artur Rios, que durante o mês de julho estaremos realizando o CULTO DE RETORNO À CASA PATERNA (RCP) no dia do culto missionário na sede e em todas as congregações. Este projeto substituiu a Cruzada de restauração “Jesus não desistiu de você”. Após o mês de julho só teremos outro RCP em novembro, para isso nós devemos usar os meses de agosto a outubro para visitar os afastados e entregar-lhes as cartas 1 e 2. Para maiores informações procure o CMECEUH (Tel> 3426-4360 / 7113-9548 – site: www.ieadav.com.br/cmeceuh ou email: cmeceuh@gmail.com ou cmeceuh@ieadav.com.br


Te encontro na festa do PAI,

Pr. João Neres

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRENTES COM ENXÚNDIAS NAS ILHARGAS

Três recomendações acerca dos pastores

A HISTÓRIA DAS ORAÇÕES QUE MUDARAM A HISTÓRIA